quarta-feira, 23 de maio de 2012

Autolimitação e autoconfiança - parte 1

O leitor Fernando Liesenberg me fez uma pergunta muito pertinente, depois de ler o último post: como adquirir mais autoconfiança?

Autoconfiança depende da maneira como você se vê, de quão competente e capaz você se enxerga. Então, para melhorar este quesito, é essencial que você melhore a ideia que tem de si.

Para isso, algumas coisas precisam acontecer:

1) valorize o que você faz bem ou as coisas que você já fez certo na vida

Afinal, se você for esperar fazer algo perfeito ou o melhor que qualquer ser humano poderia realizar, vai ser difícil valorizar alguma coisa. Para ajudar nesta tarefa, vale a pena ficar de olho no perfeccionismo, pois ele cobra um preço alto , embora não pareça.


2) Atribua a você o seu sucesso

Óbvio? Apesar de parecer, não é. Afinal, quantas vezes você já não se pegou falando coisas como "eu fui bem nessa prova, mas é que estava fácil.". A quem você atribuiu o sucesso de ter ido bem? Ao seu esforço e estudo é que não foi, né?
Para ficar mais ciente disso, leia mais sobre descontar o positivo.


3) Pare de dar tanto valor ao que você não sabe fazer ou aos erros

Ninguém sabe tudo e todo mundo erra. Eu sei que é clichê, mas também é verdade. Se um erro ou inabilidade incomoda, tenha como meta transformar isso e vá atrás.

Mude a maneira como enxerga os erros: fazem parte do caminho e não são um sinal de fracasso absoluto e imutável. Afinal, o fracasso é um evento, nunca uma pessoa.

Decidi dividir este post em dois, pois é muita informação. E, além disso, você vai ter uma semana até o próximo post para praticar estas sugestões e ver no que dá.

Se você quer aumentar sua autoconfiança, colocar a mão na massa é o preço a se pagar. Afinal, pra que serve informação se não for para ser utilizada?

Ah, muito obrigada pela contribuição, Fernando!

Ana Carolina Diethelm Kley
Para me adicionar no Facebook: Ana Kley
Para me adicionar no Twitter: @AnaDKley
Related Posts with Thumbnails