quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Vamos falar sobre vitimização


Decidi escrever sobre vitimização porque ela representa uma importante forma de resistência à mudança.

Traduzindo para o português:  se você quer resultados novos (e melhores!) em 2016, talvez valha a pena ficar de olho no que pode ser um obstáculo. E se ver como uma vítima da situação, com certeza, é uma postura que não ajuda ninguém a colher bons frutos.

E vou explicar o porque neste post.

Quando entramos no modo de funcionar da vítima, algumas coisas acontecem:
- nos sentimos impotentes diante daquela situação
- nos vemos como "coitados"
- provocamos nos outros
- temos pena de nós
- sentimos raiva de todos (e, não raro, da vida)
- podemos nos sentir injustiçados
- ficamos paralisados 
- não conseguimos lidar com o problema em si
- perdemos o jogo de cintura
- sentimos muita raiva (ah, eu já falei isso, né?! Achei que era bom ressaltar esse aspecto, pois pode ser muita raiva mesmo, ou uma irritação mais leve, mas que não passa)
- tendemos a remoer e remoer e remoer o assunto
- tendemos a reclamar e reclamar e reclamar e reclamar mais um pouco
- ficamos pesados e a esperança de que as coisas vão se resolver se enfraquece
- esse comportamento tende a afastar as pessoas que, num primeiro momento, até se compadecem de nós e tentam nos ajudar mas, quando percebem que o queremos é apenas reclamar (e não resolver), vão nos deixando de lado
- sobra tristeza, frustração e desânimo

Com tudo isso, como ter resultados promissores? Está aí uma boa pergunta! Eu acho que não dá. Se alguém conseguir enxergar um jeito, por favor, me escreva contando, ok?

Caso você tenha se identificado com essa descrição, não se preocupe: você pertence a um grupo aparentemente (isso é só minha observação, não vem de dados de pesquisa) bastante frequente

Ok, e o que eu faço com isso, então, Ana?

Em geral, as pessoas não funcionam assim o tempo inteiro. Então, se você prestar atenção, é possível perceber os sinais emocionais e comportamentais que mostram que o vitimismo começou, bem como os gatilhos (situações) que costumam desencadeá-lo e, uma vez percebido, é possível modificar esse padrão, se você considerar essa mudança de postura vantajosa.

Pode ser incômodo perceber a vitimização. Costuma dar uma raiva.... 

Ou pode ser libertador ver que você não é o único que funciona desse jeito e que há modos de ser diferentes a fim de ter resultados melhores na vida. 

No próximo post, falarei sobre a postura alternativa à vitimização para que você possa ponderar o que é melhor. Enquanto isso, minha sugestão é observe-se e perceba como você está em relação a isso.

Ana Carolina Diethelm Kley
Para me adicionar no Twitter: @AnaDKley



Related Posts with Thumbnails